Quinta-feira, 23 de Maio de 2024

Carros Quarta-feira, 10 de Abril de 2024, 16:58 - A | A

10 de Abril de 2024, 16h:58 - A | A

Carros / GWM TANK 300

Na lama com estilo

GWM Tank 300, prometido para o Brasil em 2025, encara off-road sem abrir mão do luxo



por Marcelo Palomino
Auto Press

A indústria chinesa é pródiga em lançar novas marcas. Não se trata apenas de uma mera tática de marketing, mas de uma forma de definir claramente o conceito de cada uma das linhas daquele fabricante. Algumas marcas alemãs estão fazendo coisa muita parecida com suas gamas de veículos elétricos – casos da BMW com a linha i, a Mercedes-Benz com a EQ e a Volkswagen com a ID. Entre as fabricantes chinesas, a GWM é certamente a mais criativa nesse sentido. Somente no Brasil, duas dessas marcas já estão presentes, com o crossover Haval H6, e com o elétrico de design retrofuturista Ora 03. E mais duas marcas estão previstas: a Poer, de picapes, e a Tank, de SUVs com perfil off-road. E é exatamente o modelo Tank 300, o mais cotado para ser produzido em Camaçari, na Bahia, que está sendo apresentado em mercados latino-americanos – há poucas semanas no Chile e no final de março no México.                

Trata-se do mesmo modelo, com motorizações diferentes. O avaliado no Chile traz um motor 2.0 turbo de injeção direta, que entrega 220 cv e 39,5 kgfm, enquanto o apresentado no México é híbrido e traz também um motor 2.0 Turbo, mas de Ciclo Miller. Este rende 245 cv e 38,7 kgfm, mas associado ao motor elétrico dá ao Tank 300 números finais de 351 cv e 62,7 kgfm. Trata-se de um híbrido com pouca autonomia elétrica – cerca de 15 km – e o auxílio elétrico tem primordialmente a função de vitaminar o motor térmico e reduzir o consumo. Como terão preços bem distintos, há a possibilidade de as duas configurações serem oferecidas no Brasil, com a versão com motor tradicional como modelo de entrada. Em dólar, o modelo tradicional do Chile custa US$ 35 mil e o híbrido do México, US$ 54 mil – respectivamente, R$ 175 mil e R$ 270 mil. Por aqui, com os impostos e o chamado Lucro Brasil, estes valores seriam bem mais altos.                

Os modelos Tank inicialmente faziam parte da linha Haval, mas foi segregada por apostar em um conceito de mais luxo combinado com maior capacidade off-road. O Tank 300 é um off-road clássico, de design quadrado, que mede 4,76 metros de comprimento, 1,93 m de largura, 1,90 m de altura e 2,75 m de distância entre-eixos.  Por ser focado no off-road, tem características como altura livre para o solo de 22,4 cm, capacidade de submersão de 70 cm e ângulos de ataque e saída de 33º e 34º, respectivamente. A título de comparação, já que tem um rival direto, ele é superado pelo Jeep Wrangler, que custa entre R$ 450 mil e R$ 500 mil, mas é mais radical que o Ford Bronco Sport, que custa a partir de R$ 250 mil.                

Em termos de design e estilo, o Tank 300 tem um espírito retrô, incluindo alguns elementos inspirados no Ford Bronco e Mercedes-Benz Classe G. Tem uma silhueta mais suave e refinada, que confere uma identidade própria, menos ornada que a do Bronco e muito mais moderna que a do Classe G. Ele traz ainda roda traseira pendurada, para-choques resistentes, barras de teto e protetores alargados nos arcos de roda. Ele incorpora luzes full led, ganchos de reboque, estribos, pneus de perfil alto, entre outros.                

Em termos mecânicos, o motor 2.0 Turbo de injeção direta de 220 cv e 39,5 kgfm está associado a um câmbio automático de 8 marchas fabricado pela ZF. Já o sistema de tração 4X4 é fabricado pela Eaton, com bloqueio do diferencial dianteiro e traseiro e tração 4X2 com 4X4 acoplável com modos de condução Normal e Neve, e 4X4 reduzido, com modos Normal, Rocha, Montanha e Lama, além do Modo Expert, configurável. O chassi conta com suspensão, sendo a dianteira independente com bandeja dupla e a traseira com eixo rígido com tirantes. São três modos de condução e três calibrações para direção, além de um sistema que freia a roda interna para encurtar o raio de giro, chamado Turn Assist.                

Quando a Great Wall Motors introduziu a marca Tank, definiu-a como uma marca off-road de luxo. E o interior do modelo parece estar de acordo com esta definição. Por dentro, ele é elegante e bem cuidado nos detalhes. O painel traz um enorme cluster embutido no console frontal com saídas de ar tipo turbina nas extremidades. Neste cluster estão as telas de instrumentos e da central multimídia, cada uma com 12,3 polegadas. Na união com o console central, aparecem outras três saídas de ar. Logo abaixo está o console entre os bancos, amplo e alto, com uma alavanca de transmissão joystick, ladeada por dois grandes botões que comandam a tração e os modos de condução.

Os materiais aparentam alta qualidade, com metais polidos, couro com pespontos, superfícies emborrachadas soft-touch, mais com detalhes que remetem ao a modelos 4X4 tradicionais, como parafusos expostos e alças nas colunas. E tudo isso é combinado com muitos equipamentos requintados, como ar-condicionado dual-zone com purificador, acesso e ignição sem chave, volante multifuncional revestido em couro com aquecimento, bancos com ajustes elétricos aquecidos e função massagem para o motorista, luzes ambientes configuráveis, etc.                

Na parte de segurança, o modelo traz seis airbags, controle de tração e estabilidade com sistema antirrolagem, controle de descida, sensores com câmera 360°e recursos ADAS como controle de cruzeiro adaptativo, alerta de colisão, frenagem autônoma, sensor de ponto cego, alerta de tráfego cruzado, farol alto automático, leitor de placas de velocidade, monitoramento de faixa, etc.                

A conectividade é o ponto menos lúcido do Tank 300. Ele tem, claro, conexão Apple CarPlay e Android Auto, mas é com fio – o que não é muito aceitável em um veículo neste nível de preço e que chegou ao mercado mundial há apenas três anos. Além disso, a central multimídia tem uma interface rudimentar, com uma gestão um tanto desajeitada. Não é intuitiva nem fácil de usar, tem muitas páginas de comando e requer vários passos para se chegar ao objetivo. Para completar, não traz botões físicos: tudo é feito por toque, o que exige atenção integral de quem manipula.                

Por outro lado, a habitabilidade do Tank 300 é excelente. Ele se vale das generosas largura e altura para oferecer um espaço para três pessoas no banco traseiro, com boa área para cabeça, joelhos e pés. O banco do meio é totalmente utilizável, embora inviabilize o uso do apoio de braço central. O porta-malas, por sua vez, oferece 400 litros de capacidade, com as ferramentas guardadas sob o assoalho. Vale lembrar que o pneu sobressalente fica pendurado na porta traseira, que é pivotada e se abre a 90 graus.  

Impressões ao dirigir

Dupla função

O Tank 300 traz potência, força e todos os recursos para um off-road desafiador, mas o que diferencia mais o modelo de outros SUVs raiz é o interior. A começar pela posição de dirigir. Trata-se de um SUV grande, com um assento alto e boa visibilidade para todos os lados. A primeira sensação é que o Tank 300 é um carro pesado. E é mesmo, com suas 2,3 toneladas de peso bruto. Por isso, tem alguns movimentos inerciais mais acentuados e não é tão rápido para arrancar, o que é exacerbado por um pequeno turbolag sentido com as primeiras acelerações. E isso faz com que pareça letárgico na saída.                

No dia a dia, isso não incomoda em nada. Além disso, com o modo Expert é possível pré-configurar o carro para que apresente uma resposta mais instantânea. O motor é extremamente adequado à proposta desse tipo de carro, com bastante torque abaixo de 2 mil rpm. Superado o turbolag inicial, ele se mostra vigoroso e empurra com determinação. Também não tem problemas em subidas. Mesmo em terreno de baixa aderência. Também encarou trechos de areia e terrenos lamacentos sem nenhum problema, se valendo do fato de ambos os diferenciais terem bloqueio. Além do torque exuberante, tem capacidade de tração e articulação de suspensão muito boas.                

A suspensão, aliás, é impressionante. Ela aguentou bem o uso intenso e também se mostrou bem equilibrada, com muita neutralidade no asfalto e o longo curso exigido no off-road, com real capacidade de amortecimento. O Tank 300 apresenta, logicamente, uma certa rolagem lateral, o que é esperado em carro assim. Mas é capaz de filtrar costelas, buracos e trepidações. Não bate fim de curso e oferece bom conforto de condução em todos os momentos.                

A cabine é bem insonorizada e, apesar do tipo de pneus de uso misto. Também não há som de rolamento ou motor, mas há um pouco de ruídos aerodinâmicos, em função do design quadradão. O Tank se mostra capaz bem adequado tanto para uso diário quanto para longas viagens, on e off-road. O único problema é o consumo. No modo Eco rendeu pouco mais de 8 km/litro, caindo abaixo de 7 km/l nos momentos de maior exigência.

Álbum de fotos

Comente esta notícia

Rua Ivandelina Rosa Nazário (H-6), 97 - Setor Industrial - Centro - Alta Floresta - 78.580-000 - MT

(66) 3521-6406

[email protected]