Quarta-feira, 22 de Maio de 2024

Carros Sexta-feira, 01 de Julho de 2022, 11:16 - A | A

01 de Julho de 2022, 11h:16 - A | A

Carros / Subaru WRX

Pureza esportiva

Nova geração do Subaru WRX ganha em tecnologia, mas mantém um desempenho impressionante



por Jorge Blancarte
Autocosmos.com/México
Exclusivo no Brasil para Auto Press

Entre os modelos que ganharam fama nas principais competições de rali do mundo, o Subaru WRX é o único remanescente. E a chegada da quinta geração do modelo no ano passado confirma que vai continuar vivo por um bom tempo ainda. O sedã médio, que é construído sobre o Impreza, aparece com novos recursos sem arranhar o conceito original: um carro que une resistência e potência, com uma dinâmica impressionante. O esportivo, que interrompeu as vendas no Brasil com a troca de geração, ganhou um design marcante e agressivo, mas não muito diferente do antecessor. Até porque a marca diz que os “subaristas” estão mais ligados na essência do carro.

A fabricante, inclusive, justifica as mudanças como necessárias para acomodar as novas tecnologias, melhorar a aerodinâmica e, por último, atualizar o visual. A grade hexagonal é ladeada por faróis em led, os para-choques ganharam um acabamento em preto fosco na parte inferior, com faróis de neblina nas grades de resfriamento dos freios. No capô, a tomada de ar é funcional e serve para resfriar o intercooler e melhorar a alimentação do motor. Uma peculiaridade é que os para-lamas são feitos em alumínio, para deixar a frente mais leve e respeitar o conceito de simetria na distribuição de peso, igual em cada uma das rodas.

Toda a parte inferior da carroceria, incluindo o arco das rodas, saias recebe molduras de proteção em preto fosco. As rodas de liga de 18 polegadas também são em preto fosco. Já a antena tipo barbatana de tubarão e o discreto spoiler integrado ao porta-malas são na cor da carroceria. As lanternas traseiras triangulares são unidas por uma barra em preto brilhante, enquanto a parte inferior do para-choque é proeminente e abriga um difusor na parte central e duas saídas duplas de escape nas laterais.

Por dentro, o console traz um design moderno e chama a atenção a enorme tela vertical de 11,6 polegadas sensível ao toque. Os materiais são de excelente qualidade e todos os revestimentos recebem pespontos em vermelho. O acabamento é em couro sintético no volante e alavanca de marchas, combinam couro com Alcântara nos painéis das portas e bancos enquanto o console frontal é guarnecido apenas com Alcântara. As peças plásticas são emborrachadas, macias ao toque, e opacas. Encontramos detalhes em alumínio, cromo, preto piano ao redor da tela do sistema multimídia e detalhes em fibra de carbono aparecem nas portas e no volante, onde está encrustado o logotipo WRX, que também aparece bordado nos encostos de cabeça dianteiros.

A distribuição dos comandos é bem tradicional e há diversos espaços para armazenar coisas, com um nicho à frente da alavanca de câmbio, porta copos duplos, uma bandeja para colocar chaves ou moedas, sob o apoio de braço e na base das portas. O cluster traz nas laterais instrumentos analógicos divididos em dois grandes relógios com velocímetro, tacômetro e marcadores de combustível e de temperatura. Entre os dois, uma pequena tela colorida de TFT colorida configurável traz informações complementares do computador de bordo, como pressão do turbo, voltímetro etc. Tem saída USB dupla, auxiliar e um soquete de 120 volts, pedais com revestimento em alumínio, ar-condicionado automático, volante multifuncional de base achatada, chave presencial para travas e ignição. Faltou apenas um carregador de indução.

O sistema multimídia é compatível via cabo Android Auto e Apple CarPlay e tem conexão Bluetooth. A câmera de ré tem a imagem projetada na enorme tela central, que tem uma imagem de alta definição que impressiona. O espaço nos bancos traseiros é generoso, com boa área para a cabeça e para as pernas – até porque os assentos dianteiros têm um bom afastamento do piso, que permite colocar os pés sob eles. Como sempre, duas pessoas viajam confortavelmente e uma terceira invadirá os passageiros de lado com as pernas, porque a altura do túnel é muito alta – até porque é um veículo com tração integral.

Na parte de segurança, o modelo dispõe de sete airbags e sistemas básicos como ABS, controle de tração e de estabilidade. Além disso, traz recursos ADAS como detecção de ponto cego, controle de cruzeiro adaptativo conjugado com centralizador de faixa, alerta de colisão com frenagem autônoma, etc. Nos Estados Unidos, que responde por mais de 60% das vendas do modelo, o WRX custa entre US$ 30 mil e US$ 40 mil – aproximadamente, entre R$ 155 mil e R$ 210 mil. No Brasil, o WRX de quarta geração era vendido apenas com câmbio automático e custava cerca de R$ 250 mil.

 

Impressões ao dirigir
Percepção de perfeição

Nascido nas competições de rali, a principal virtude deste Subaru WRX está bem atrás do volante. O motor é composto por um bloco com configuração boxer de quatro cilindros com 2.4 litros sobrealimentado por um turbo com intercooler. Ele é capaz de gerar uma potência de 275 cv a 5.600 giros e 35,7 kgfm de torque entre 2 mil e 5.200 rpm. A transmissão é manual de seis relações e a tradicional Symmetrical All-Wheel Drive, que combina tração integral uma distribuição perfeita de massas. Se ele for cortado em quatro partes do mesmo tamanho, cada uma delas vai pesar a mesma coisa.

Por esses motivos, exatamente, o manuseio deste carro é maravilhoso. Para começar, ele é muito rápido: faz de zero a 100 km/h em 6 segundos e tem a velocidade máxima de 236 km/h. Por outro lado, a transmissão tem encaixes precisos e relação muito bem escalonadas, mas traz uma certa dureza, que até aumenta a sensação de esportividade. O turbolag é perceptível antes dos 2 mil rpm, mas não é nada grave. Se o WRX for usado para o que foi feito, dificilmente ficará abaixo dessa rotação.

Em um modelo esportivo, é costuma usar suspensões mais baixas e duras, mas o WRX é uma exceção. Afinal, é preciso lembrar da origem nos ralis e da capacidade de andar rápido em estradas de terra. Então ela é alta o suficiente para não raspar o fundo em pisos irregulares. Além disso, os pneus têm um bom flanco para encarar buracos.

Graças à tração integral, o WRX mostra excelente aderência e oferece uma estabilidade nas curvas que poucos carros têm. A manobrabilidade oferecida por este veículo é generosa, a direção é muito comunicativa e dá perfeita noção onde a roda está em cada momento. Embora as proporções não sejam contidas (tem 4,67 metros), o carro oferece grande agilidade. Tem um centro de gravidade mais baixo que na geração anterior, e o chassi também melhorou a rigidez. Com isso, ficou mais equilibrado e fácil de conduzir. 

Álbum de fotos

Foto: DIvulgação

Foto: DIvulgação

Foto: DIvulgação

Foto: DIvulgação

Foto: DIvulgação

Foto: DIvulgação

Foto: DIvulgação

Foto: DIvulgação

Comente esta notícia

Rua Ivandelina Rosa Nazário (H-6), 97 - Setor Industrial - Centro - Alta Floresta - 78.580-000 - MT

(66) 3521-6406

[email protected]