Quinta-feira, 20 de Junho de 2024

Esporte Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2022, 11:37 - A | A

21 de Dezembro de 2022, 11h:37 - A | A

Esporte / Tricampeão

As estatísticas por trás do triunfo da Argentina na Copa do Mundo

A magia de Messi, a mentalidade de Martinez e a inteligência tática de Scaloni foram fatores-chave



Fifa

  • Lionel Messi é o único jogador a marcar em todas as fases de uma Copa do Mundo

  • Emiliano Martinez tem 100% de aproveitamento nas disputas de pênaltis com a Argentina

  • Lionel Scaloni foi taticamente flexível e perspicaz ao longo do torneio

A final da Copa do Mundo foi uma conclusão apropriadamente emocionante para um torneio fascinante e o épico 3-3 entre Argentina e França, decidido nos pênaltis a favor dos sul-americanos, permanecerá por muito tempo na memória.

Isso trouxe uma terceira Copa do Mundo para a Argentina, embora a primeira desde 1986, quando o falecido Diego Maradona os levou à glória no México.

De um número 10 mercurial para outro, Lionel Messi assumiu o manto desta vez e finalmente colocou as mãos no único troféu que faltava em sua vasta coleção.

Mas como a Argentina ganhou a Copa do Mundo? O que estava por trás de seu sucesso no Qatar?

Messi mágico 'completa o futebol'

Messi marcou sete vezes no torneio e duas vezes na final. Sua contagem só é superada por Kylian Mbappé, que se tornou apenas o segundo jogador a marcar um hat-trick em uma final de Copa do Mundo, depois de Geoff Hurst em 1966.

Seus esforços para arrastar a Argentina além da linha o levaram a ganhar a Bola de Ouro pela segunda vez em sua carreira, depois de 2014 (ele é o primeiro jogador a receber o prêmio duas vezes). As estatísticas falam por si mesmas.

Messi é o primeiro jogador na história da Copa do Mundo a marcar na fase de grupos, oitavas de final, quartas de final, semifinal e final em uma única edição da competição.

Sua participação na final o tornou o recordista absoluto de participações em Copas do Mundo, com 26, ultrapassando Lothar Matthaus.

Ele marcou 26 gols em grandes torneios, 13 cada na Copa América e na Copa do Mundo, mais do que qualquer jogador sul-americano na história nas duas competições, superando o craque brasileiro Ronaldo. Messi é agora o maior artilheiro de todos os tempos da Argentina na Copa do Mundo, três à frente de Gabriel Batistuta. 

As 21 contribuições de Messi para a Copa do Mundo também são um recorde da Copa do Mundo, desde 1966.

Sua contagem de 18 chutes a gol foi quatro à frente de qualquer outra pessoa no torneio, enquanto suas 32 tentativas no total também abriram o caminho. Apenas Antoine Griezmann (22) criou mais chances do que Messi (21), cuja expectativa de gols (6,62) também era a maior da competição – embora a cobrança de cinco pênaltis tenha algo a ver com isso.

Nenhum jogador no torneio se envolveu em tantas sequências de finalização quanto seus 53 e apenas Mbappé tentou mais tentativas (56 a 40). Apenas Luka Modric, aquele outro talento perene cuja estrela se recusa a diminuir com a idade, jogou passes mais progressivos.

Uma Copa do Mundo, uma Copa América, sete Bolas de Ouro, quatro Ligas dos Campeões, 10 títulos da LaLiga, três Mundiais de Clubes, três Supercopas, sete troféus da Copa do Rei, uma medalha de ouro olímpica, um Troféu dos Campeões e uma Ligue 1 coroa.

Ele ainda não está se aposentando do cenário internacional, mas Messi realmente completou o futebol.

Martinez tem o toque de ouro

Alguns goleiros parecem feitos para pênaltis; Emiliano Martinez é definitivamente um deles. Martinez venceu quatro das cinco disputas de pênaltis em sua carreira, e todas as três com a Argentina.

Uma delas aconteceu no ano passado contra a Colômbia, a caminho da vitória da Argentina na Copa América. Dois deles aconteceram no Catar, e o goleiro do Aston Villa, Martinez, fez três paradas cruciais nas cobranças de pênaltis.

No entanto, por seu heroísmo nos pênaltis, não se deve esquecer que Martinez fez uma defesa vital no final da prorrogação, impedindo a França de completar a reviravolta de todas as reviravoltas. Talvez se tivesse sido Mbappé, em vez de Randal Kolo Muani, que disparou para o gol, Martinez não teria chance, mas como foi, ele esticou a perna esquerda e fez uma parada que entrará para a história .

Não subestime também o quão importante deve ter sido para a Argentina saber que, se o empurrão chegasse ao empurrão e os pênaltis fossem necessários em qualquer partida, eles tinham um dos melhores goleiros para disputar pênaltis.

Flexibilidade tática de Scaloni

Lionel Scaloni é o terceiro técnico da história a vencer a Copa do Mundo e a Copa América, depois de Mario Zagallo (Copa do Mundo de 1970, Copa América de 1997) e Carlos Alberto Parreira (Copa do Mundo de 1994, Copa América de 2004), ambos com o Brasil .

Apesar de todo o brilhantismo de Messi e as travessuras de pênaltis de Martinez, Scaloni deve receber imenso crédito. Ele conquistou o que nenhum técnico da Argentina conseguiu desde 1986, um ano depois de encerrar uma espera de 28 anos pelo 15º título da Copa América.

A melhor faceta de Scaloni no Qatar foi a sua capacidade de alternar entre os sistemas. Embora às vezes ele não tenha reagido com rapidez suficiente no jogo, ele criou planos de jogo táticos que muitas vezes anulavam a oposição em grandes partes das partidas.

Ele implantou uma defesa de três contra a Holanda, combatendo o próprio sistema 3-5-2 de Louis van Gaal. Scaloni voltou ao 4-4-2 nas semifinais, com Leandro Paredes convocado para ajudar a conter o trio de meio-campo croata Modric, Mateo Kovacic e Marcelo Brozovic. Mesmo para a final, o técnico da Argentina tinha um truque na manga, trazendo Angel Di María, jogando-o alto no flanco esquerdo e garantindo que seu time dominasse todas as áreas do jogo na primeira hora.

as crianças estão bem

Scaloni também não teve medo de dar uma chance aos jovens. Com Lautaro Martinez falhando, Julian Alvarez se tornou uma figura chave na frente. Ele não apenas marcou quatro gols, mas o atacante do Manchester City também forneceu a energia que falta em Messi.

No meio-campo, Enzo Fernandez invadiu o time com um golaço contra o México e se manteve a partir de então, combativo fora da bola e excelente no geral. Rodrigo De Paul, embora inconsistente, era outro burro de carga, e Alexis Mac Allister parece um possível herdeiro dessa camisa número 10.

Na final, Fernandez liderou todos os jogadores em toques (118), passes acertados (77) e tackles (10) na final. Seus 10 tackles foram o máximo de qualquer jogador em uma final da Copa do Mundo desde Gennaro Gattuso em 2006 (15).

Essa energia no meio-campo e a tenacidade de Alvarez ajudaram a Argentina a conseguir 50 altas viradas, ficando atrás apenas da Croácia (59) no torneio.

Comente esta notícia

Rua Ivandelina Rosa Nazário (H-6), 97 - Setor Industrial - Centro - Alta Floresta - 78.580-000 - MT

(66) 3521-6406

[email protected]