Sexta-feira, 21 de Junho de 2024

Esporte Terça-feira, 04 de Agosto de 2015, 00:00 - A | A

04 de Agosto de 2015, 00h:00 - A | A

Esporte /

Bethe mira volta por cima: "Não aceito terminar 2016 sem o cinturão do UFC"

G1 Rio de Janeiro



Nada como um dia após o outro.Nocauteada por Ronda Rousey na luta principal do UFC Rio 7, sábado, na Arena da Barra, Bethe Correia fala do confronto sem deixar de projetar o futuro. A frustração por não conseguir destronar a americana - campeã do peso-galo do Ultimate - existe, porém, a cabeça da paraibana está em refazer seu caminho e, em 2016, disputar o título pela segunda vez.

- Prometo disputar o cinturão ano que vem. Em 2016, quero fazer uma nova história. Quero, acima de tudo, ser muito respeitada. Quero um retorno triunfal. Não aceito terminar 2016 sem o cinturão do UFC na minha cintura. Tudo o que eu quero, eu consigo. Essa vai ser a minha batalha - declarou Bethe, que aproveita uma das praias de Natal (RN), em entrevista exclusiva ao Combate.com.


No MMA há apenas três anos, Bethe afirma que o confronto lhe deu experiência. A lutadora da Pitbull Brothers espera enfrentar uma adversária do top 5 do ranking do peso-galo em seu próximo compromisso e acredita que ainda ficará frente a frente com "Rowdy" no octógono.

- Se ano que vem ela estiver com cinturão, vou reencontrá-la. Vou conseguir esse cinturão. Eu acho que uma hora a Ronda vai ser destronada e espero que seja por mim. Todo mundo perde uma hora - destacou Bethe, que planeja passar um mês nos Estados Unidos para trocar experiências em outras academias e evoluir como atleta. 

Confira a entrevista completa:

Como foram os momentos após a derrota no UFC Rio 7?

Bethe Correia: Fui muito consciente, não estou de luto, de forma alguma. Trocamos na curta distância. Ela foi mais rápida e caí primeiro. Não me senti inferior em momento nenhum, não senti que ela é melhor do que eu. O preço de ser lutador é esse, mas não quer dizer que você seja melhor ou pior. Foi mérito da Ronda, tenho consciência disso. Depois da luta, o Dana me deu os parabéns, o UFC foi recorde de mídia, como ele falou na coletiva. E isso foi devido a minha sinceridade, criei uma novela que todo mundo queria saber o final. A minha sinceridade gerou algo grande em termos de mídia. Eu disse ao Dana que quero lutar o mais rápido possível, e ele até riu. Em nenhum momento entrei em desespero depois da luta, em depressão. O Rio de Janeiro, o Brasil, o mundo todo parou para ver essa luta. Sou aguerrida, quero voltar com tudo para ter uma nova chance de conquistar o cinturão. Quando ser temida pelas adversárias, quero que digam que a Bethe é casca-grossa. Prometo disputar o cinturão ano que vem. Em 2016, quero fazer uma nova história. Quero, acima de tudo, ser muito respeitada. Quero um retorno triunfal. Não aceito terminar 2016 sem o cinturão do UFC na minha cintura. Tudo o que eu quero, eu consigo. Essa vai ser a minha batalha.

O que teria feito de diferente na luta?

A minha trocação é melhor do que a dela, mas a mão dela entrou. Depois que eu tropecei, me levantei encurralada na grade. Não deu tempo de me posicionar, de me estabilizar, nem de fazer guarda. Ela veio para cima conectando bons golpes. Poderia ter sido o contrário: ela caindo e eu partindo para cima. A Ronda soube aproveitar a oportunidade, só isso. Se eu tivesse caído no centro do octógono, com mais espaço, sem estar pressionada, talvez eu não tivesse sido nocauteada. Esse camp me deixou muito forte. Se eu tivesse outra chance, na trocação, tenho certeza de que ganharia. Se eu estivesse com a guarda alta, não teria sido nocauteada. De qualquer forma, foi uma experiência magnífica. O UFC parou o mundo. Quero promover mais eventos assim.

Você tinha uma visão da Ronda como lutadora, mas ainda não havia trocado golpes com ela. O que achou da Ronda?

Quando ela tentou me derrubar, não senti muita força. Eu treinava com homens na academia. Mas não desconsidero o mérito da Ronda. Ela acertou um golpe no local exato, e eu caí.

Que lições tirou da luta?

Eu aprendi muito com essa luta. Ganhei experiência, ficarei mais pronta para as próximas. Quando estiver sob pressão, vou saber responder mais rápido. Não tinha passado por uma situação dessa. Foi muito bom lutar contra a Ronda. Não consigo nem andar na rua. Vim até a praia e nem estou conseguindo curtir direito, está todo mundo pedindo fotos (risos). É legal o reconhecimento da galera. É uma coisa que levarei para sempre. 

Edelson Silva, seu noivo e treinador, disse que não esperava que a Ronda fosse ser tão agressiva nos primeiros movimentos do combate. Você também ficou surpresa com isso?

Não, sabia que ela entraria forte, é o estilo dela. A Ronda não ia querer fazer diferente comigo. Eu estava esperando isso, mas não esperava tropeçar, aconteceu. Ela aproveitou a falha. Quando ela recebeu um golpe meu, ela tentou me derrubar. É o instinto dela. É o que acontece quando ela é acertada. Não tiro o mérito, mas acredito que, se lutássemos novamente, seria totalmente diferente.

Você acha que esse foi apenas o primeiro capítulo da sua história com ela?

Se ano que vem ela estiver com cinturão, vou reencontrá-la. Vou conseguir esse cinturão. Eu acho que uma hora a Ronda vai ser destronada e espero que seja por mim. Todo mundo perde uma hora. 

A Jéssica Bate-Estaca afirmou que tem algo pessoal contra você. Seria um bom nome para sua volta ao octógono?

Eu não tenho nenhuma rivalidade com brasileira. Se ela tem problemas comigo, eu nem sei o porquê disso. Quero ganhar de meninas que estejam na minha frente no ranking. Quero enfrentar uma atleta do top 5. 

Comente esta notícia

Rua Ivandelina Rosa Nazário (H-6), 97 - Setor Industrial - Centro - Alta Floresta - 78.580-000 - MT

(66) 3521-6406

[email protected]