Quinta-feira, 23 de Maio de 2024

Opinião Segunda-feira, 12 de Setembro de 2022, 09:39 - A | A

12 de Setembro de 2022, 09h:39 - A | A

Opinião /

Durante os anos, o que eu perdi

Há comprovação científica de que escolhemos nosso roteiro de vida, até os 7 anos de idade



Carmen Hornick é Mestre em Estudos de Linguagem (UFMT)

 

Durante nossos anos verdes, juntamente com a mudança de nossas características físicas, peculiares de cada fase da vida, vamos mudando de estágios e, em cada um deles, portas vão se abrindo, caminhos vão aparecendo e, preparados ou não, precisamos fazer escolhas. Não há como correr delas.

O tempo, como grande amigo que observa e cuida de tudo que fazemos, vai passando, em seu ritmo paciencioso, e fazendo as suas entregas. Não esquece de nada e, aos poucos, apresenta o pacote completo, com todos os prazeres, as alegrias, os aprendizados, as dores, as tristezas... Enfim, ele nos mostra como experimentamos o desenrolar de nossas decisões.

Escolhemos a profissão, o trabalho, casamo-nos, temos filhos, divorciamo-nos... ou decidimos não fazer nada disso, o que também é uma escolha! Na maioria das decisões que tomamos, imperam os modelos que temos já construídos e que nos levam a uma certa continuidade de padrões que nos são familiares ou ao rompimento com eles.

Entretanto, em algum ponto da vida, quando nos olhamos no espelho e já não encontramos mais aquele “ar” de frescor da juventude, e isso pode acontecer aos 30, 40, 50, 60, 70... sentimos alguma dificuldade de enxergar que aquele caminho percorrido, que trouxe essa colheita, partiu de uma decisão de plantio.

Então, em algum momento, aparece o desânimo, a solidão, o questionamento sobre o que ficou para trás, e a sensação gelada de que algo ficou perdido na jornada, parecida com aquela quando você se dá conta de que esqueceu algo importante, sabe?

Há comprovação científica de que escolhemos nosso roteiro de vida, até os 7 anos de idade


Há dias em que essa sensação se torna presente e toma conta. Este é o sinal de que chegou o tempo: o tempo de pausa, de conversar com você mesmo. A vida te chama para o grande momento, é quando mais uma porta se abre e, desta vez, com a maturidade, com o seu eu adulto, é possível refletir sobre dois pontos fundamentais.

1- No decorrer da vida, apenas executamos o planejado, mesmo que de maneira inconsciente. Há comprovação científica de que escolhemos nosso roteiro de vida, (pasmem!) até os 7 anos de idade. Isso quer dizer que gostemos ou não do resultado, fomos nós que o construímos assim, por mais que não tenhamos consciência plena disso.
Assim, assumir a responsabilidade pelo que aconteceu até agora, seja vitória, seja derrota, seja alegria, seja tristeza, enfim seja algo que contabilizamos como satisfação ou como frustração é ponto crucial para encontrar o que ficou pelo caminho. Não outros responsáveis, a escolha foi sua.

2- Ao observar a vida sob uma perspectiva mais ampla, só somos completos com a morte, o que significa que, se estamos vivos, ainda há tempo para fazermos o que realmente desejamos sem nos limitarmos ao julgamento dos outros, sejam eles nossa família, amigos, comunidade religiosa, profissional ou acadêmica.

Isso quer dizer que nunca é tarde demais para nada. Mas também quer dizer que é preciso ter coragem para satisfazer, com nossa performance ou nossa aparência na vida, uma única pessoa: nós mesmos. Significa sim contrariar padrões, estilos, rotinas, vontade dos outros, mesmo que “os outros” sejam os pais, companheiros, amigos, cônjuges ou filhos.

Ter coragem para ser e agir diferente do esperado pelas pessoas que convivem com você é tomar deliciosamente a decisão de ser você mesmo. Não é pouca coisa, é um desafio. Mas, siga a intuição, pois ela carrega nossos desejos latentes, e quando ela vier, aproveite aquele lampejo de sensação gostosa de ter achado o que perdeu ao longo do caminho. Permita-se abraçar suas realizações sem ter que justificar para ninguém. É complicado e simples assim, paradoxal como a própria vida.

Comente esta notícia

Rua Ivandelina Rosa Nazário (H-6), 97 - Setor Industrial - Centro - Alta Floresta - 78.580-000 - MT

(66) 3521-6406

[email protected]