Terça-feira, 21 de Maio de 2024

Economia Quarta-feira, 19 de Outubro de 2022, 11:20 - A | A

19 de Outubro de 2022, 11h:20 - A | A

Economia / SÓ TENDE A PIORAR

Sem reajuste há 28 dias, defasagem do preço do diesel sobe para 14%

Para voltar à paridade com a importação, seria necessário um aumento de R$ 0,83 por litro de diesel, calcula a entidade



R7 Notícias

O preço do diesel segue em escalada no mercado internacional, o que aumenta a defasagem do preço do combustível comercializado no Brasil. Segundo especialistas, a pressão altista só tende a piorar com o aumento do frio na Europa, o fechamento de refinarias e a proximidade da proibição de importações da Rússia, o que vai reduzir ainda mais a oferta global.

 No levantamento feito pela Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), a diferença entre o preço médio praticado nas refinarias brasileiras e do Golfo do México subiu para 14%. Para voltar à paridade com a importação, seria necessário um aumento de R$ 0,83 por litro de diesel, calcula a entidade.

 A maior disparidade é observada nas refinarias da Petrobras, enquanto a Acelen, na Bahia, única refinaria de grande porte privada do Brasil, está alinhada com o preço externo, devido a reajustes semanais, com uma diferença de apenas 1% na comparação com o preço praticado no Golfo do México.

 No último sábado (15), a unidade baiana, responsável por 14% do refino do Brasil, fez o terceiro aumento no mês de outubro do combustível, e chegou a repassar alta de até 8,9%, dependendo do mercado atendido. Enquanto isso, a Petrobras mantém o preço do combustível congelado há 28 dias. Nos locais que servem de referência para os preços da Petrobras, a defasagem chega a 17% (Itaqui, Suape, Paulínia e Araucária).

 Na sexta-feira, o diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Fernando Borges, admitiu que a companhia reduziu os preços dos combustíveis em velocidade maior do que a agora considerada para aumentos, a fim de acompanhar os preços de paridade de importação, e que isso seria "em benefício da sociedade brasileira''.

 Gasolina

 No caso da gasolina, com a demanda menos pressionada, o aumento deveria ser de R$ 0,24 por litro, devido a uma defasagem média de 7%, segundo a Abicom. A Petrobras não reajusta o preço da gasolina há 46 dias, e mesmo assim o combustível voltou a subir nos postos de abastecimento na semana passada, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

 A estatal mantém o discurso de que "segue monitorando continuamente o mercado e os movimentos nas cotações de mercado do petróleo e dos derivados, que atualmente experimentam alta volatilidade".

 Segundo a Petrobras, o objetivo da companhia é não repassar a volatilidade do mercado internacional para o mercado interno, e afirmou ainda em nota que "não existe uma referência única e percebida da mesma maneira por todos os agentes, sejam eles refinadores ou importadores".

Comente esta notícia

Rua Ivandelina Rosa Nazário (H-6), 97 - Setor Industrial - Centro - Alta Floresta - 78.580-000 - MT

(66) 3521-6406

[email protected]