Quarta-feira, 19 de Junho de 2024

Política Sexta-feira, 17 de Maio de 2024, 09:42 - A | A

17 de Maio de 2024, 09h:42 - A | A

Política / Alta Floresta 48 anos

Para Vicente da Riva, Alta Floresta tem potencial para ser uma referência para o Mundo

Se visse Alta Floresta hoje, ele iria dizer: “a nossa cidade está correspondendo com as expectativas, crescendo, o povo está feliz e valeu muito a pena ter acreditado!



José Vieira
Mato Grosso do Norte

Vicente da Riva, filho do colonizador de Alta Floresta, Ariosto da Riva, empresário e ex-prefeito (1997/2000), aos 77 anos, está em processo de recuperação de um problema de Saúde, mas segue firme com muitos projetos pensados para contribuir com o crescimento da cidade fundada pelo seu pai em 1976.
Na tarde do dia 18 de abril ele reservou um espaço em sua agenda para me receber para uma entrevista, a ser publicada no caderno especial de aniversário de Alta Floresta, comemorado neste dia 19 de maio, data em que a cidade celebra seus 48 anos de fundação.

Se visse Alta Floresta hoje, ele iria dizer: “a nossa cidade está correspondendo com as expectativas, crescendo, o povo está feliz e valeu muito a pena ter acreditado!


Vicente foi um dos planificadores na construção de Alta Floresta, e passados quase meio século, permanece um grande entusiasta, acreditando que a cidade, principalmente impulsionada pela força do Agronegócio, crescerá de forma inimaginável nos próximos anos. E se transformará em uma grande metrópole.
E afirma que se Seu Ariosto pudesse ver a cidade hoje, 32 anos após sua morte, ficaria encantado com o seu crescimento. Veja a seguir.

Se o Seu Ariosto da Riva pudesse ver como Alta Floresta está hoje, o que o senhor acha que ele falaria?

Vicente - Meu pai sempre acreditou no potencial do Norte de Mato Grosso e sobretudo no povo que veio para colonizar. Sabia das dificuldades porque era um grande visionário, mas sabia também que o esforço da população, daqueles que também acreditaram e vieram para cá, iria valer a pena. Ele morreu em 1992, mas se visse Alta Floresta hoje, ele iria dizer: “a nossa cidade está correspondendo com as expectativas, crescendo, o povo está feliz e valeu muito a pena ter acreditado!”.
Como filho dele posso afirmar isto, porque ele acreditava não só em Alta Floresta, mas no Mato Grosso. E sabia que as coisas mudavam na economia. Se ele estivesse vivo, com certeza estaria muito feliz.
Como filho do colonizador e ex-prefeito, na sua avaliação, como está atualmente, setores como a infraestrutura urbana da cidade; a qualidade da Educação Básica; Saúde e a Agricultura Familiar?

Vicente - Alta Floresta ainda vai completar 50 anos. E quando começamos a cidade, a colonizadora, logicamente foi a primeira empresa que veio para a região. Houve um trabalho iniciado pela Indeco (Colonizadora), com o apoio do governo, que foi base para tudo que está acontecendo hoje, não apenas nos serviços públicos, mas também nos setores produtivos.
Mato Grosso era um Estado pouco desenvolvido e hoje é uma potência. Não falo especificamente, mas é incrível o desenvolvimento, os investimentos que estão acontecendo. O que quero dizer é que saímos do zero e muitas coisas estão acontecendo. Portanto, Alta Floresta está se transformando e será a cidade que todos nós sonhamos em todos os setores. Ainda precisamos de investimento, mas as coisas vão acontecer.

Se o senhor fosse prefeito hoje, que obras públicas seriam sua prioridade?

Vicente - Meu mandato terminou em 2000. Portanto, era uma outra realidade e as prioridades eram outras. Nesses anos todos Alta Floresta se transformou numa coisa enorme. Mas se hoje eu estivesse prefeito, na infraestrutura da cidade, eu duplicaria a perimetral que passa na frente do cemitério e buscaria a viabilidade para construir viadutos. Também acho que é prioridade o investimento em Educação, por que um povo que sabe cobrar e participar favorece o desenvolvimento.

De que forma, no cenário atual, a família colonizadora está colaborando com o processo de crescimento de Alta Floresta?

Vicente - A família sempre acreditou em Alta Floresta e hoje atuamos em 4 setores. Cada núcleo da família tem a sua atividade, além do setor imobiliário. Eu, minha esposa e meus filhos, temos armazém, loteamentos, comércio e etc. Mas sou uma parte, há as minhas irmãs que são grandes investidoras em diferentes segmentos, podemos citar o Turismo, hotéis, além de outros investimentos que a nossa família sempre vem realizando, e colaborando com a cidade.
Uma forma de colaborar, por exemplo, é a área onde está sendo construído o novo Hospital Regional, de 30 mil metros quadrados, que pertencia a família do meu irmão Ludovico da Riva e foi feito um acordo com o município, para a área ser destinada para a construção do hospital. Também está em estudo fazer uma passarela elevada depois do quartel, sentido Paranaíta, interligando com uma via pública nas imediações do Atacado Machadão. Minha família tem um loteamento, “Cidade Jardim” ao lado do Quartel e onde será a Politec. Mas isto ainda está em estudo de viabilidade. No entanto, tudo o que nós, colonizadores ,fizemos, é pouco comparado com os que vieram para cá, acreditaram e construíram essa grande cidade.

Qual é a mensagem que o senhor deixa para a população neste aniversário de 48 anos de Alta Floresta?

Vicente - Minha mensagem é de esperança e de fé. Que continuem acreditando por que nossa querida Alta Floresta será uma cidade muito desenvolvida, com investimentos na Educação, nas pessoas, que são nosso maior patrimônio. E acredito que, preparando nossa população, estaremos caminhando na forma correta e seremos um exemplo, não apenas para o Brasil, mas para o mundo inteiro. Reiterando, minha mensagem é que as pessoas lutem, cobrem e acreditem, porque Alta Floresta tem potencial para ser uma referência para o mundo.

Comente esta notícia

Rua Ivandelina Rosa Nazário (H-6), 97 - Setor Industrial - Centro - Alta Floresta - 78.580-000 - MT

(66) 3521-6406

[email protected]