Quarta-feira, 17 de Julho de 2024

Opinião Segunda-feira, 17 de Junho de 2024, 11:23 - A | A

17 de Junho de 2024, 11h:23 - A | A

Opinião /

A Escolha será por exclusão

De eleição em eleição, aumenta-se os números de abstenção



Wilson Carlos Fuáh

A democracia ainda é o melhor sistema político do mundo, pois vence o mais votado, mas muitas vezes o mais votado não é o melhor que deveria ser eleito, e no decorrer do mandato, a verdade das campanhas torna-se a mentira exposta no exercício do poder.                

    De eleição em eleição, aumenta-se os números de abstenção, isso significa que pelo descrédito do poder executivo, ocorre um afastamento do povo do processo democrático, pois “ninguém mais acredita, mais em ninguém”, e até a escolha por exclusão, está ficando cada vez mais difícil,  como acreditar em pelo menos um candidato por antecipação, se nenhum passa a confiança.                 

   Existe pelas ruas uma tristeza espalhada nos rostos das pessoas, a alma do povo está cheia de mágoa, de revolta, e diante dos fatos crescentes de má gestão, aumenta a indignação, que vem pela constatação da  situação em que os políticos deixaram de ser políticos, e se transformaram em atores nos filmes das Delações Premiadas, são imagens que não tem como negar, pois expõe alguns  políticos “metendo as mãos” no dinheiro público, e com o sentimento “degenerativo na política”, e por causa de uns outros são jogados na vala comum.        

      Quando mais se aproxima as eleições, os candidatos começam a aparecer com os seus sorrisos emoldurados com os seus dentes artificiais e demostrando as suas alegrias individualizadas, e portam assim, porque acreditam nas suas próprias malandragens, e que através destas,  possam continuar a enganar o povo infinitamente, tendo como base,  a força do poder financeiro acumulado através das Verbas Indenizatórias e outros acordos espúrios.            

      Quando mais se aproxima as eleições, os candidatos começam a aparecer com os seus sorrisos

 

        Agora, com os debates poderemos assistir os candidatos tentando  usar o seu poder de  massificação  das suas inverdades, e com  sequências das repetições de falsas possibilidades de realizações públicas,   proposta de uma cidade em forma de paraíso, lugar onde eleitor escolher para fazer a sua morada, e que com o seu voto pensa encontrar entre os candidatos, pelo menos um que possa construir uma cidade com as melhores condições para viver, ter a satisfação e o prazer de morar, sendo o lugar que escolheu para criar seus filhos com segurança e por isso, tem sempre a expectativa de  receber do poder público, o retorno do imposto altíssimo que paga religiosamente, e se não pagar, o seu nome vai para a Dívida Ativa e terá as penalidade como protesto, inserção do SERASA, (entre outros) e inclusive no seu próprio patrimônio (averbação pré-executória), podendo chegar a perder os seus bens (leilão judicial, adjudicação).                

Só a democracia tem o poder de renovar a esperança de dias melhores para os eleitores, mas de eleição em eleição, tudo está piorando, e o que vemos é um quadro políticos que estão se renovando, só que para o pior.                                                     

     A democracia nos tempos passados era uma festa cívica, que   começava a partir dos comícios e perduravam até o dia da eleição, onde as pessoas compravam roupas novas para irem bem vestidas para votar, e nesse dia cívico, o povo procurava honrar o seu voto, os partidos eram agremiações respeitadas e amadas pelos seus filiados ou simpatizantes, mas hoje os partidos viraram apenas uma roupa que se veste para ganhar eleições, e a maiorias dos políticos nunca leram os estatutos partidários, e como falar em ideologia se no país onde existem mais de 30 partidos e até criaram a janela para troca de partidos, ou os políticos criaram legalmente trinta dias para a traição ideológica, desmoralizando a existência dos partidos, e que antigamente diziam que o cargo dos eleitos seriam do partidos e não dos candidatos, ou seja, se quiser trocar de partido deveriam deixa o cargo, mas agora, essa verdade ideologia não existe mais.           

A nossa vida depende da politica, em todas as atividades sociais e econômicas se refletem em ideias de ordem vindas através dos projetos legislativos, mas o tempo passa e o quadro político vai piorando, os debates entre os tribunos não existem mais, o que vemos hoje, é um fracasso de uma parte desta geração de políticos, os discursos está recheados de palavrões desrespeitosos, ofensas destrutivas da moral dos Vossas Excelências,  e se não “apartar” vai para as tentativas de agressões físicas, o plenário virou lugar de espetáculos mais depressíveis e proibidos para menores, e o presidente da mesa tem que desligar os microfones para que a “Casa de Leis não vire a Casa de Irene”.  

*Wilson Carlos Fuáh – É Especialista em Recursos Humanos e pesquisador das Relações Sociais e Políticas, Graduado em Ciências  Econômicas. Fale com o Autor: [email protected]

Comente esta notícia

Rua Ivandelina Rosa Nazário (H-6), 97 - Setor Industrial - Centro - Alta Floresta - 78.580-000 - MT

(66) 3521-6406

[email protected]